segunda-feira, 3 de março de 2008

Easy wrighter

Bilhete 1 – (Local: Rua Amaro Leite, em frente ao número 421 - Zona Norte)
Eu quero que você se foda! Eu quero que você se foda, se arrebente, se mate, se estrepe! Eu quero que você se foda, porque você é nada. Você é nada, uma merda de nada! Você não presta, você não sabe o que é amor. Você nunca teve amor. Ninguém nunca te deu. Você não sabe o que é viver, você não tem pai nem mãe, não tem casa, não tem jeito, não tem sonho, não tem amigos, não tem porra nenhuma e fica afundando esse nariz no pó pra fingir que é legal, que é da moda, que tá de boa! Eu quero que você se foda! Se foda! Se foda, entendeu? Se foda!

Bilhete 2 – (Local: Rua Bento Nobre, em frente ao número 1.298 – Zona Norte)
Me avisaram. Me avisaram sobre quem você é. Me avisaram que você não respeita ninguém, que você não ama ninguém, que você não deseja ninguém, só a você. Eu já sabia da sua história e de suas merdas de estórias. Eu sabia das suas putarias, das suas sacanagens. Entrei sabendo. Mas, caralho, você não podia uma vez na vida ser alguma coisa melhor que essa merda de pessoa que você é? Agora eu fico aqui, escrevendo pra você e jogando essas merdas pela janela do carro no meio da noite. Merda. Merda. Merda!

Bilhete 3 –
(Local: Avenida Independência, em frente ao numero 3.879 – Zona Leste)
Eu sei que você não vai ler essas merdas que eu tô escrevendo. São 3 e meia dessa porra de madrugada e eu aqui, escrevendo essas porras de bilhetes que você nunca vai ler. Eu sou mesmo idiota. Idiota! Uma merda de pessoa idiota que se meteu a amar você. Porque eu queria amar você, amar seu cheiro, amar esse sorriso escroto que você tem, puta que pariu que sorriso lindo que você tem que me desmancha e me faz esquecer que você não presta, que você é nada. Quem é nada sou eu. Eu sou nada e sou ainda mais nada sem você. Sem você, sem a merda do seu sorriso escroto. Eu sou nada sem você. Nada.

Bilhete 4 –
(Local: Rua Amália Meneses, em frente ao número 211 – Zona Leste)
Eu morri. Hoje eu morri. Eu morri quando vi você cantando. Morri quando vi você sorrindo. Morri cinco, dez, mil vezes, porque toda vez que você piscava e eu via seus olhos piscando, toda vez que você respirava e eu via seu peito subindo e descendo, toda vez que você abria a boca e eu sentia o cheiro da sua boca, toda vez que eu via que você ainda existe e está feliz eu morria outra vez. Estava a dez metros de você e sentia o seu cheiro de chiclete de canela na sua boca, e sentia o seu cheiro de chiclete de canela na minha boca, e sentia o seu cheiro de chiclete de canela em toda parte de mim. Eu morri. Morri mil vezes. Mil vezes. Morri.

Bilhete 5 – (Local: Rua General Coriolano Bezerra, em frente ao número 474 – Zona Leste)
São 4 e 19. E eu pensando em você. E eu pensando em nós. E eu pensando no que a gente sonhou. E eu pensando no jeito que você tem de arrumar o cabelo depois do banho. Puta que pariu, como é que alguém pode sair do banho e passar a mão nos cabelos como você faz? Como é? Como é que alguém pode sentir o tesão que eu sinto quando vejo você passar a mão no cabelo depois do banho?

Bilhete 6 – (Local: Avenida Expedito Alves de Oliveira, em frente ao número 806 – Zona Leste)
Você me dá nojo. Você me enoja. Tô vomitando a alma aqui, pensando em você. Pensando em quantas vezes você me beijou depois de beijar alguém no meio do caminho. Pensando em quantas vezes você me abraçou, me sorriu, me colocou no colo depois de ter fodido com alguém. Você me dá nojo. Eu te odeio. Eu te odeio como nunca odiei você. Eu te odeio porque sem você eu não sou porra nenhuma. Eu te odeio porque sem você eu sou menos da metade de mim. Eu te odeio porque amo você. Cacete, como eu amo você!

Bilhete 7 – (Local: Rua Bonésio Leiva, em frente ao número 14 – Zona Sul)
Vou pra casa. Cansei de rodar, rodar, rodar. Cansei de você e de escrever essas merdas pra você. Você nunca vai ler, mesmo. Você nunca nada.Vou pra casa e vou trancar a porta e deixar você para sempre do lado de fora. Vou ficar liv

***

- M., preciso te dizer uma coisa.
- A essa hora da manhã?
- M., aconteceu uma coisa. Senta e escuta.

7 comentários:

Pedro Jansen disse...

começamos bem...

Juliana Alves disse...

muito bem.

Alícia Melo disse...

já tô doida pra ver a foto. =)
4 =*'s

Sanmya disse...

uma maravilha!

raquel disse...

e as vezes parece até que corações nunca se cansam de ter esperança. e é. é? né? né.

texto: pedro.
foto: ? [que seja breve]
música: inbetween days - the cure [ou na versão do hebert vianna, que é a que ouço agora]

Rosa disse...

Ótimo começo, sem dúvida! Delicioso texto.

www.odamae.zip.net

Edson Costa disse...

puta de uma sinceridade, andré.